Postagens populares

Programão no Circuitinho

Foto: Guito Moreto
Se você mora no Rio de Janeiro e é criança... ou tem crianças por perto, aqui vai uma dica: acontece no próximo fim de semana (sábado e domingo, 11 e 12 de novembro de 2017), o CIRCUITINHO.
É uma programação cheia de coisas bacanas, incluindo aulas, música, comida, moda, decoração, papo sobre bichos de estimação... uma porção de atividades! 
Veja abaixo toda a programação.
Vai ser na Casa Rosa da Gávea, espaço que tem um belo jardim e lago projetados por Burle Marx, o mais famoso paisagista brasileiro.

Gente famosa
Olha só! No Circuitinho, domingo, vão estar também as apresentadoras dos programas “Socorro! Meu Filho Come Mal”, a nutricionista Gabriela Kapim, e também as meninas do "Fazendo a Festa":


Gabriela Kapim

CIRCUITINHO
Dias: 11 e 12 de novembro de 2017 (sábado e domingo)
Local: Casa Rosa da Gávea
End: Rua Marquês de São Vicente, 268 – Gávea
Horário: Das 12h às 20h


Liga Fazendo a Festa

Programação gratuita:

Sábado, dia 11 de novembro:
14h – Brincadeiras com a equipe do “Espaço Aldeia”
15h – Rita Ericson (consultora de veterinária) faz a palestra “Cães e Gatos! Ter ou não Ter? Como lidar?”
16h– Show “Criançando”, de Luis Carlinhos (voz e violão)
17h – Oficina de Compostagem com Luca Chiabi, do “Ciclo Orgânico”
18h – Monica Guinle, do “Humano Possível”, faz a palestra “Mapeando seu Ffilho”

Domingo, dia 12 de novembro:
13h – Mariana, da Liga do GNT, da “Panos pra Manga”, ensina a fazer um balangandã (para todas as idades)
14h - Ana Elisa Castro, também da Liga do GNT, ensina uma receita gostosa e saudável
15h – Bate papo com as 4 meninas da Liga do GNT do programa “Fazendo a Festa”
16h Gabriela Kapim apresenta o projeto “Nutri Garotada”
17h – Oficina de Logomarca com a Casa 6D
18h Gabriela Kapim apresenta o projeto “5 Kores”

Programação paga:
- Oficina de Artes com “Ideias Experiências Criativas”;
- Oficina de Costura com “Atelier Mi”;
- Oficina de Ilustração com Patricia Castro, da “Fulô Estúdio”
(Inscrições no local, vários horários)

Professor é tudo!

Esta historinha (de verdade!) é uma homenagem a todos os professores que amam sua linda profissão. 

Era uma vez uma senhorinha de 82 anos de idade.
Ela não sabia nem ler nem escrever.
Quando era pequena, não podia ir à escola porque trabalhava na roça, ajudando sua família. Ela morava em Monte Azul Paulista, cidade onde nasceu.
O nome da senhorinha é Therezinha Brandolim.

Ela casou, virou mãe e o tempo passou, passou.
Um dia ficou viúva e então resolveu aprender a ler. Não conseguia de jeito nenhum. Ficou anos tentando várias vezes, mas as aulas eram muito complicadas para a dona Therezinha, a Tetê (este é o apelido dela).

Aí ela foi para São Paulo, para a casa da filha, a Maria Zulmira, que teve uma ideia genial: ir atrás de uma professora especializada em alfabetização para adultos.
Aí, sim, deu tudo certo! Tetê aprendeu a ler aos 82 anos de idade!
A professora chamada Jany Dilourdes Nascimento conseguiu, usando um método diferente e fácil para ensiná-la.
(Este método foi inventado por Paulo Freire, em 1963.) 

Mas a história ainda não terminou!
Tem mais!
Quando a Tetê aprendeu a ler, quis mandar cartões para vários parentes seus. Então a professora Jany deu a ela alguns retalhos de chita, um tecido cheio de flores, para enfeitar os cartões.
Sabe o que aconteceu?
A senhorinha se encantou com a chita, enfeitou os cartões com muitas flores e depois começou a fazer quadros assim. Uma porção.
Com 82 anos ela virou artista e já produziu mais de 300 obras.
Therezinha ganhou prêmios e expôs seus quadros em museus do Brasil e do mundo!

Parabéns para ela e para a professora Jany!




Facebook
https://www.facebook.com/Galeriatetebrandolim/

Instagram: @tetebrandolim


"O professor medíocre conta. 
O bom professor explica. 
O professor superior demonstra. 
O grande professor inspira."
William Arthur Ward









Guarda-chuva pode ser arte?

Sim!
Um objeto comum visto de um novo modo pode virar uma obra de arte.
E muito famosa até!
Isso aconteceu quando um artista francês chamado Marcel Duchamp expôs um simples bidê, objeto usado em banheiros, no ano de 1917, com o nome "Fonte". (O nome é engraçado, porque realmente sai água deste objeto, igualzinho a uma fonte.)
Parece que ele queria mesmo provocar todo mundo com uma velha pergunta: "O que é arte?".

Como estamos em 2017, este acontecimento está completando 100 anos! E influenciou muita gente.
Então, uma exposição em São Paulo, na Av. Paulista (e grátis), mostra obras assim, com objetos simples, feitas por artistas brasileiros. Algumas são bem divertidas e criativas.
Esta exposição acontece no Centro Cultural Fiesp
Vai até 28 de janeiro do ano que vem (2018).

Aqui vão fotos que tirei de uma obra que está na exposição.
É a armação de uma guarda-chuva.
Foi feita pelo cantor, compositor e escritor Arnaldo Antunes.
Repare nas sombras que ela projeta na parede. No jeito como está colocada ali.
Nem parece um simples guarda-chuva, não é mesmo? 

O que faz algo virar arte é o olhar artístico de alguém!







P.S.: Aguarde mais fotos de outras obras.

P.S.2: Este tipo de arte foi batizado de "Readymade" ("feito pronto", em Português).

READY MADE IN BRASIL
Galeria de Arte

Avenida Paulista, 1313
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Curadoria de Daniel Rangel.
GRATUITO


Mais linguagem de sinais

Num post anterior, falei um pouco sobre a linguagem das mãos.
São gestos que fazemos automaticamente, conhecidos por muita gente no mundo.
Aproveitando, vamos falar também de uma linguagem bonita feita com gestos, usada para as pessoas que não ouvem ou que ouvem muito pouco: os deficientes auditivos.

Acontece que eu fui a uma exposição muito bacana sobre a cantora Inezita Barroso, em São Paulo. Mais bacana ainda é perceber que os deficientes podem aproveitar o local muito bem. Alguns vídeos que a gente assiste lá têm também um videozinho ao lado, com uma pessoa fazendo gestos. Até quando toca música, a letra é explicada. E nos lugares que têm TVs com fones de ouvido, você escuta, durante o áudio, alguém dizendo qual é o cenário, qual roupa a artista está vestindo, estas coisas. Quem não consegue enxergar, pode imaginar e entender tudo que o vídeo mostra. 

Lá eu assisti duas vezes um filme num telão. Na segunda vez, fiquei só reparando na linguagem dos sinais. Achei bonita. Algumas palavras são bonitas de olhar.

Esta linguagem de gestos chama linguagem de LIBRAS, que significa ngua Brasileira de Sinais. 

Existem sinais para letras ou palavras inteiras, sentimentos etc.

Aqui, neste vídeo, você vê um pouquinho desta linguagem de sinais.

E fica sabendo que existe um serviço de "tradução" em São Paulo, chamado CIL, Central de Interpretação de Libras.



Um prato cheio!

Veja só que delícia!
O ilustrador gaúcho Cado Bottega deu um "aperitivo" para o Divertudo.
Ele desenhou um menino que faz parte do livro "Come, Menino", escrito por Leticia Wierzchowski.



Aguarde a entrevista que vamos fazer com ele.
Queremos saber como o Cado virou desenhista...  e se ele limpava o prato quando era pequeno.

Este livro infantil foi feito para ajudar os adultos que precisam dar um empurrãozinho na alimentação de suas crianças.

A mesma dupla também lançou outros dois livros legais: "Dorme, Menino" e "Brinca, Menino", mostrando de um jeito gostoso que os pequenos precisam de um bom sono e não podem só viver grudados no videogame.



Você fala com as mãos?

As fotos abaixo mostram um livro italiano que fala sobre os sinais.
Ele se chama, (traduzindo para o Português): "Suplemento ao Dicionário Italiano". Um nome engraçado, porque dizem que os italianos "falam com as mãos". Então é como se fosse "outras palavras que não estão no dicionário". O autor, chamado Bruno Munari, resolveu mostrar fotos dos gestos e explicar o que eles querem dizer. Muitos são usados também pelos brasileiros e pessoas de outros países.

Por que a gente acena colocando a mão para cima?
Este gesto é universal. Você vai dizer "oi" para alguém e levanta a mão direita. Sabe de onde vem? Do tempo dos romanos. Eles faziam isso para mostrar que não estavam com uma espada ou outra arma na mão. Naquele tempo queria dizer: "Fica frio que estou desarmado".

Mas pense numa coisa interessante...
Esta linguagem também é combinada, assim como um idioma.
Se você fizer "positivo" com o dedo mindinho, ninguém entende.
Se você escrever concerto" (de piano) com "s", vão achar que ele  precisa ser arrumado e não que é uma apresentação de música.
Se você escrever o nome do estado "PARÁ" sem o acento, vão achar que é a preposição "PARA".
Por isso a gente aprende gramática, entende?
Se todos sabem bem o código, a comunicação melhora.



O Sumiço da Sereia Iara


O Sumiço da Sereia Iara 
Evelyn Heine


Era um dia bonito na praia.
O mar bem azul e a areia amarelinha de sol.
Mas estava um silêncio só!

Os peixes não ouviam nada e estranhavam:
- Onde está o nosso som? – perguntavam.

O golfinho deu um salto e olhou tudo por cima.
- Onde anda esta menina?

O silêncio até doía.
Era hora da cantoria.


Uma onda, então, fez “chuááá!”.
Mas não saía o dó nem o fá.
Ela não sabia cantar.

Todo mundo com aquela cara...
- Onde anda a Sereia Iara?

- Será que foi pescador? – perguntou o tubarão.
Os peixes saíram de perto.
E a resposta era que não.

Pescador foge da Iara por causa do seu cantar,
que é tão bonito e doce,
que ele nem quer mais voltar.

Então o peixe-elétrico iluminou bem o mar.
E os outros foram que foram... a sereia procurar.

Depois de alguns minutos:
- Aqui, aqui! – gritou o siri.


E lá estava a coitadinha.
Muda, sem ar...
Engasgada com uma tampinha!

O polvo bateu nas costas, com dois ou três dos seus “braços”.
A tampinha voou longe.
E então ganhou mil abraços.

- Quem é que faz isso, gente?
Joga besteira no mar?
- Eu não sei, sinceramente...
Mas é coisa de envergonhar.

Os amigos se juntaram
E fizeram uma limpeza.
Depois a sereia cantou
Tão bonito! Uma beleza!




As crianças não são bobas


O Dia da Criança é amanhã, 12 de outubro.
Pode ser que você esteja aí quebrando a cabeça para descobrir um programão para ela, mas...
Veja só. Pode ser que seu pequeno goste muito e aproveite mais algo que não seja feito especialmente para uma criança. Algo que você, adulto, também goste, ache bacana e interessante.

Um exemplo? 
No último domingo eu visitei a linda exposição sobre a cantora Inezita Barroso, no Itaú Cultural. É grátis.
E, imagine só, lá tinha muita criança aproveitando e explorando detalhes da história desta artista que viveu sua vida divulgando a música caipira! Como mulher e de família rica, ela precisou batalhar para ser ouvida e fazer valer sua vontade.

Talvez a criança goste de cozinhar um prato com você, ouvir ou ver algo da sua infância, conhecer melhor o seu trabalho, aprender algo diferente que você saiba ensinar...

Quando era pequena, com uns 7 anos, Inezita Barroso ficava escondida atrás do sofá. Sabe por quê? Ela ouvia e aprendia, escondidinha, as aulas de violão que um professor dava para sua tia.
Quando a família percebeu, a menina já estava tocando. E então resolveram colocá-la numa escola de música.
Mas ela queria tocar viola, instrumento que ouvia os trabalhadores tocando na fazenda da família. Isso era totalmente estranho na sua época. 
Inezita teimou e mostrou que podia seguir o seu caminho. E virou uma estrela da nossa música, do nosso Folclore e das coisas do Brasil.

Ela não era nada boba.
Suas crianças também não são.

Ocupação Inezita Barroso
Vai até 5 de novembro de 2017.
Grátis.
Em São Paulo.







Massinha na parede?

Imagina só a bronca!
Massinha colada nas paredes da casa. Ah, nããão!
Mas existe um restaurante na cidade de Milão que deixa, sim!
Todo mundo que vai lá pode fazer qualquer desenho ou palavra de massinha e grudar nas paredes.
Quando você vê de longe, parecem apenas desenhos coloridos nos tijolos.
Então, chegando mais perto, que surpresa! Centenas de nomes e figuras feitos pelos clientes do lugar, que se chama Stra Ripa.

Quando estive lá, também ganhei um pouco de massinha para criar o que eu quisesse.
E aqui está o meu beijo pra você, leitor ou leitora do Divertudo!
Grudadinho numa parede de tijolos da Itália, em Milão.


Mais fotos:


O brilho de Bérgamo

Na cidade de Bérgamo, que fica na Itália, você vê um prédio assim:


E então você pensa: o que será isto brilhando na frente dele? Que efeito bonito e diferente!

Chegando perto, você descobre que aquele brilho vem de uma porção de CDs presos em redes vazadas, como as de pescador.

O prédio é antigo e nele fica a prefeitura da cidade.

Estas fotos foram tiradas em outubro de2017.