Postagens populares

Desenhos no caminho


Ei! Cuidado! Um jacaré no meio da calçada?
Não! É só brincadeira.
Quem fez isso foi um artista americano chamado Tom Bob.
Muitas obras dele fazem parte da cidade de Nova Iorque, e também outras partes do mundo. Ele brinca com as coisas que parecem feias ou que estão quebradas e isso alegra as pessoas e a paisagem.

Veja só o que virou um simples cano azul: a tromba de um elefante simpático.



Árvores que não se encostam


Você sabia que existem alguns tipos de árvores cujas copas não encostam umas nas outras?
Em inglês, este fenômeno é chamado "crown shyness" ("coroa tímida).
Se você tirar uma foto delas, olhando de baixo, parece até que formam um mosaico, com um espacinho de céu entre as folhagens de cada uma. 
Cientistas dizem que isto pode ser um jeito de todas receberem a luz solar e assim garantir sua fotossíntese. Outros pensam que pode ser uma proteção contra larvas e pragas. Outros acham que ventos e tempestades são a causa.
Mas todos concordam que é algo bem curioso de se admirar.




Veja outras curiosidades legais!

Nuvenzinha


Apreciando uma cena da natureza, você pode tentar formar um pequena riminha, uma poesia bem pequena chamada "haicai".

Eu fotografei uma nuvenzinha no céu azul.
Aqui vão dois haicais diferentes que inventei sobre esta cena.

Nuvenzinha (1)

Nuvenzinha tão pequena!
Mas, pensa:
Faz toda a diferença!


Nuvenzinha (2)

Nuvem mente! 
Cor de água
É transparente.


Agora invente o seu!

Outros haicais.

Para todas as mães, para todos os filhos


Mãe,
Dá um beijo?
Mãe,
Dá a mão?
Eu te dou tudo.
Tudo que eu tenho
E meu coração.


Mãe, tô com sede.
Mãe, tô com fome.
Mãe, tô com medo.
Mãe, é segredo.


Cadê meu sapato?
Cadê minha meia?
Cadê a bolacha?
Ela sempre acha!


Mãe, tomei choque.
Mãe, me perdi.
Mãe, tô caindo...
Mãe, eu caí!
Calma, filhote,
Que eu tô aqui.


mãe ensina
A olhar pros lados,
A olhar pra baixo,
A olhar pra cima.
“Levanta, menina!”


Mãe,

O que eu faço?
Já vem a resposta
Em forma de abraço.


mãe enquadra
Rabisco de filho,
De gente sem braço.
E diz: “Não tá lindo?
Parece Picasso!”


Mãe, olha eu!
Mãe, olha pra mim!
Você só pedindo...
E ela é só sim.


Mãe sabe o filho
De cor e salteado,
Mesmo sem nunca
Ter estudado.


Mãe é presente,
Mesmo distante.
Dentro da gente,
Amor gigante.


Se ela já foi,
Se ela já vem,
Mãe é seu anjo
Pra sempre.
Amém.



Evelyn Heine
(Para minha mãe, para todas as mães, para todos os filhos. 
E para minhas filhas, que me ensinaram onde encontrar o Paraíso.)

O haicai é um pensamento que distrai

O haicai
É um pensamento
Que distrai.

Você sabe o que é um “haicai”? É um tipo de poeminha que inventaram no Japão, bem curtinho. O tema mais comum, no início, era a natureza, mas a gente pode falar sobre qualquer coisa, usando só três linhas, rimando a primeira com a última. Eu consegui fazer um haicai do haicai aí em cima.
Aqui vai um outro, sobre água:

A ÁGUA

A ÁGUA PASSA,
MAS, QUANDO EVAPORA,
EMBAÇA.



Outros haicais 
de Evelyn

O crepúsculo

Mas quem diria...
À tarde a noite
Encontra o dia.











Foto: Cecilia Zioni
Haicai: Evelyn Heine

O incrível museu Quai Branly

Existe um museu muito bonito na cidade de Paris que se chama "Museu do Quai Branly - Jacques-Chirac".
Branly é o lugar onde ele fica. E Jacques Chirac é o nome do presidente da França que quis fazer este museu.
Ele achava importante mostrar a arte e a cultura de lugares que não fossem na Europa. Naquele tempo, ninguém sabia muita coisa sobre a arte da África, Ásia, Oceania e Américas.
(Por isso também é chamado de "Museu das Artes e Civilizações da África, Ásia, Oceania e Américas").

Então, em 20 de junho de 2006, este enorme museu foi inaugurado, numa área de mais de 40 mil metros quadrados e com um acervo de 300 mil obras vindas de uma porção de povos diferentes! Algumas muito antigas e valiosas.
Mas o mais legal é a forma como o arquiteto Jean Nouvel construiu o local. Parece que você está explorando cavernas, num lugar cheio de curvas e surpresas. Nem pense num museu tradicional, porque está bem longe disso. Ele é moderno e divertido, com paredes em madeira sinuosa, de onde saem bancos para sentar, por exemplo.

Logo na entrada, você sobe uma rampa. E o que tem nesta rampa? Um "rio" feito de palavras, que escorrem pelo chão. Na verdade elas são projetadas na rampa, parecendo mesmo um rio.
São 16 mil palavras das mais diversas línguas, que vêm dos povos representados no museu.


Lá dentro, são muitas e muitas salas para explorar. Tem uma, por exemplo, um pouco escurinha, onde a atração são os tapetes orientais projetados no chão. Eles vão mudando! E é um show para os olhos.
Mas quem não enxerga também pode conhecer os encantos do museu, através da linguagem braile e de figuras em relevo muito bem feitas.

São tantas atrações interativas que nem dá pra contar aqui. Numa delas, uma grande bola azul mostra os fenômenos naturais que acontecem em certas regiões do planeta.


As crianças se encantam com isso e com os totens, máscaras, roupas, objetos... Elas recebem uma revista especial, logo na entrada, com brincadeiras e desafios para descobrir neste interessante passeio pela África, Oceania, Ásia e Américas, mas dentro da Europa, na cidade de Paris.

O site do Museu
(Que tem exposições temporárias e permanentes, além de teatro, biblioteca, loja, restaurante e jardim).